Edição de maio da revista investiga as raízes da violência e propõe caminhos para a construção de uma convivência pacífica no ambiente escolar.

Qual é a melhor resposta que a sociedade - incluindo a escola - pode dar à violência que fere e assusta o Brasil? Preocupada em ajudar os educadores a refletirem sobre essa pergunta, a revista NOVA ESCOLA lança, em maio, um especial que oferece como resposta uma única palavra: paz. A edição, que começa a chegar aos assinantes esta semana, traz a palavra de professores, gestores e especialistas de diferentes áreas, da psicologia à medicina, sobre os fundamentos de uma cultura de não-violência, na escola e fora dela. Ainda dá tempo de assinar a revista impressa e receber a edição de maio em casa. Veja como.

A reportagem de capa discute, tendo como pano de fundo o massacre que deixou 10 mortos na EE Raul Brasil, em Suzano, o papel da escola na construção de valores voltados ao respeito e à convivência sadia. A matéria mostra as origens da ideia de uma cultura de paz, e mostra como, na prática, a escola pode se transformar em um ambiente no qual crianças e jovens se sintam acolhidas e aprendam a lidar com os conflitos.

A edição também faz uma reflexão sobre violência e masculinidade tóxica, mostrando que os modelos distorcidos do que é ser homem podem ter relação com atitudes agressivas, e revela como o desenvolvimento de competências socioemocionais, previstas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), têm impacto direto na convivência.


E tem, ainda, várias experiências bem-sucedidas, no Brasil e no mundo, que mostram como a escola pode contribuir e muito para a paz. É o caso da da rede municipal de Artur Nogueira (SP), que está implementando um projeto anti-bullying em todas as escolas.



Compartilhar: